terça-feira, 17 de janeiro de 2017

UMA GRANDE FINAL

A Dive Comunicação esteve no Manifesto Bar para conferir o Rock Fest 2016. 
Foram diversas seletivas, 60 bandas, para o grande momento- a final realizada ontem na tradicional casa de shows, com 12 bandas.

O público compareceu em peso, a casa estava lotada, com os fãs de cada banda tentando fazer com que a sua banda predileta saísse com o prêmio da noite. Eram dois troféus- a escolha do público, onde as pessoas poderiam votar em uma urna localizada no palco, e a escolha dos jurados. Todos bem conceituados dentro do cenário rock/metal. 

A primeira banda a se apresentar, Supersized, mostrou um stoner rock, com influências de grunge, como constatamos na abertura do show, uma rádio fictícia ia passando por diversas bandas, Alice in Chains, Foo Fighters, Nirvana, entre outras, até chegar no som do Supersized. Bem legal. Foi uma das grandes surpresas da noite. Um dos pontos altos do festival, ao longo do texto nós falaremos quais foram as outras três bandas que mais se destacaram, na visão da Dive.

Confira um vídeo do ep da banda abaixo e uma matéria do site cool "Tenho Mais Discos que Amigos": http://www.tenhomaisdiscosqueamigos.com/2016/11/14/supersized-ep/







A próxima banda a se apresentar foi a Overmist. Fazem um metal de primeira, alternando momentos melódicos e fúria na dose certa.Ricardo Melo( vocalista),Vini Ruggi( baixista), André Martins(baterista) e Rodrigo Santos(guitarrista) fizeram um showzaço. A banda lançou recentemente o single da música "Them Crooked Kings".Vale a pena escutar.

Eutenia subiu ao palco fazendo seu metal moderno. A banda é uma das melhores representantes desse novo estilo pra quem é ligado no som pesado. O grupo se mostrava bem feliz por estar participando da final no Manifesto Bar. Legal ver o guitarrista Diego com a camiseta de uma de nossas bandas prediletas,Válvera.





7th Guest levou o troféu da votação do público. Com influências de thrash/prog e metal tradicional, o quinteto é formado por: Fábio Zampieri(guitarra), Felipe Algazi(bateria), Tom Kantele(vocais), Hélvio Poletti(baixo) e Mayki Fabiane(guitarra). A banda lançou o seu primeiro ep em 2015.

BlankWar mostraram um trash metal de primeira. A banda formada em Bragança Paulista, conta com os músicos: Carlos Frige(baixista e vocalista), Eduardo Polidori(guitarrista) e Alessandro Kelvin(baixista). Lançaram o primeiro álbum em 2016. Um power trio com uma extrema qualidade, ainda vamos ouvir muito falar.

Vamos deixar para comentar sobre a próxima banda, Laboratori, mais pra frente. A Banda D21 entrou com uma vitalidade bem legal, levantando o público presente. Fazendo com que, o baixista do O Cravo, Valter, e o guitarrista, Rodnei, fossem para a beira do palco curtir o belo show do D21. O som da banda é um pop/rock muito bem feito, com músicos talentosos e dispostos a alegrar a plateia que saiu de casa em pleno domingão para curtir um rock and roll.

Art Kerosene é um conjunto musical bem diferente. Nós da Dive já havíamos conferido a banda em um outro festival do próprio Manifesto Bar. E sempre mandam bem. Com letras irreverentes, fizeram com que as mulheres presentes dessem muita risada com uma de suas músicas: "Amor, você não está gorda". Sarcasmo em letras como: "Vai pra Cuba-Miami, vai pro caralho a quatro, mas não me chame", e uma tiração de sarro com os vegetarianos. Gabriel Azeite(vocais e guitarra), Victor Padovan(bateria) e Elias Nadim(baixo) superaram as falhas técnicas logo no começo do show, e agradaram a todos. E no final, o vocalista soltou essa:"mulheres, vocês podem se vingar dos homens dizendo: amor, o seu não é pequeno". Genial.



Amenize é uma banda de death metal melódico ou metalcore, ou seja como for, é bem pesado. Engraçado foi escutar a conversa de umas senhoras que estavam à nossa frente: "imagine se não chamasse Amenize...".

Nossos amigos do O Cravo realizaram um excelente show. Um dos shows que mais gostamos. A banda está com uma nova vocalista, Anelys Mellado, representante do mais puro rock and roll, a banda faz uma mistura de rock-pop, com letras muito interessantes do baixista, Valter, junto com o baterista Rafael, são uma cozinha de responsa, e na guitarra, quebrando tudo, Rodnei, com suas belas melodias. A banda saiu muito aplaudida conquistando novos fãs, para a alegria da família do Rodnei presente, seus amigos, Nilton Tadeu, entre outros. Foi muito bacana. Logo mais a banda irá lançar seu primeiro trabalho.

A penúltima banda da noite a se apresentar, Segundo Mundo, possui influências de Cazuza, Helmet, Incubus e Tom Zé. Ótimo show.

Antes de falar da última banda da noite, queremos destacar a altíssima qualidade das 12 bandas. Não é fácil, num país onde só se valoriza( atualmente) o som cover e as mesmas melodias de sempre, assistir a 12 shows com uma energia de banda que está na estrada há anos- que é o caso de muita delas- foi muito satisfatório. Nós já havíamos estado em algumas finais do Manifesto, essa foi a primeira vez que sentimos todas as 12 bandas afiadíssimas, não estavam de bobeira ali, não caíram de paraquedas. Dedicaram-se, ensaiaram, qualquer produtor que estivesse no Manifesto ou que estiver lendo esse texto, pode contratar qualquer banda dessas doze, sem dó, vão fazer vale a pena o seu investimento.

Mamamute foi a outra grande surpresa da noite. Ser a última a ser apresentada não é mole. Todos já estavam cansados. Meia noite e meia, os shows começaram às 18h00. A Dive estava lá desde às 16:30. Mas para a banda Mamamute ainda era cedo, e quebraram tudo. Um fenomenal show. Não sabemos como classificar o som da banda. Mas é uma mistura louca de rock com mpb, lindas músicas, uma banda entrosada que deixou a todos, inclusive muitas bandas de queixo caído. 

A vencedora da noite pelos jurados leva o nome de Laboratori. Uma banda incrível. A nossa favorita da final acabou ganhando. A raiva que os integrantes da banda demostram no palco contagia. "Me inspira o ódio de vagabundo lazarento", já diria o Claustrofobia. E o que não falta no palco para essa banda é vontade de mostrar que vão deixar seus corpos ali, se for preciso. Não teve como não se empolgar com a atitude do vocalista Bruno Chili( é a cara do ator Michael Shannon), parecia uma mistura de Chorão com Phil Anselmo, muito carismático e humilde. Quando subiram para receber o troféu, pareciam sem jeito, sem saber o que fazer com o prêmio. O fato inusitado da noite, após o show do Laboratori, nós encontramos o vocalista, o parabenizamos pela performance, e falamos para eles seguirem em frente. Seguiram.

Rick Rocha( guitarra), Bruno Kozseram(guitarra), Felippe Nemen(baixo) e Fábio Ebner(bateria) são os integrantes do Laboratori. Parabéns e nos vemos no próximo show.






A casa Manifesto Bar leva o nosso 10 por ter um espaço tão legal para bandas promissoras, se você nunca visitou o Manifesto Bar, não perca tempo, é o templo do rock and roll em São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário